POPULAÇÃO DE CURRAIS NOVOS PARA E COBRA ADUTORA.


A problemática da água mobilizou a população do município de Currais Novos na manhã desta quarta-feira (10). Em um protesto pacífico em prol da construção de uma adutora para abastecer a cidade, que corre risco de colapso no abastecimento, mulheres, crianças e até idosos participaram de uma caminhada, que também contou com a presença de movimentos sociais, igreja e da classe empresarial de Currais Novos. A cidade é abastecida pelo Açude Gargalheiras, em Acari, que está com 4,66 milhões de metros cúbicos ou 10,49% de sua capacidade, o suficiente para atender as duas cidades até agosto deste ano, segundo medição da Secretaria Estadual de Recursos Hídricos e Meio Ambiente do RN (Semarh),  da última quarta-feira, 9.

Durante o ato, a cidade parou. As duas vias de acesso ao município foram interditadas. O comércio fechou as portas em adesão ao movimento e as escolas levaram os alunos às ruas. A classe empresarial da cidade participou ativamente do movimento. “O povo de Currais Novos precisa dessa adutora. É uma questão de vida. Esse sonho precisa sair do papel agora. Não podemos mais esperar”, disse o empresário e vice-presidente da CDL Jailson Severo. No final do protesto, a população caminhou em direção à sede do Ministério Público, onde foi entregue um documento reivindicatório solicitando o engajamento do órgão na luta pela construção da adutora. 

Além disso, um estudo realizado pelo professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e doutor em recursos hídricos, João Abner Guimarães, foi anexado ao pedido. A promotora Mariana Barbalho informou à comissão que irá analisar os documentos e em seguida notificar a prefeitura e Governo do Estado. “O Ministério Público está pronto e atento a essa reivindicação”, disse a promotora.

Ações do governo

A perfuração de poços “é a única solução emergencial” para  enfrentamento da escassez de água  que vem preocupando os 44.528 moradores de Currais Novos, informa o secretário  adjunto estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luciano Cavalcanti Xavier. Para o secretário, a solução definitiva para a falta de água na região do Seridó, agravada com a seca de três anos no semiárido potiguar,  é a construção da adutora de Oiticica, no leito do rio Piranhas/Açu, à altura do município de Jucurutu.

Segundo ele, as obras da barragem, com capacidade para cerca de 600 milhões de metros cúbicos, quando estiver pronta, tem previsão de conclusão para 2015.

O secretário descarta a construção de uma adutora a partir de São Vicente, pra trazer água da barragem Armando Ribeiro Gonçalves, porque tecnicamente “não tem vazão”. Técnicos e máquinas da Coordenadoria de Hidrologia (Cohidro) da Semarh já se encontram em Currais Novos para iniciar a perfuração de poços em bairros periféricos da cidade. 

Luciano Xavier explicou que oito poços já foram alocados e, se depois de perfurados, houver água e vazão suficientes, os equipamentos serão instalados pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern). Quanto ao protesto ocorrido ontem,  em Currais Novos, o secretário disse que o governo “nunca fechou as portas ao diálogo”.

Emergência

O reconhecimento da situação de emergência por parte da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil em 159 dos 167 municípios do Rio Grande do Norte, conforme portaria publicada na edição de ontem do “Diário Oficial da União” (D.O.U),  vai ajudar o Governo do Estado na busca de  mais recursos federais. O secretário estadual adjunto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luciano Cavalcanti Xavier, disse que vai pleitear cerca de R$ 8 milhões no Ministério da Integração Nacional para equipar e instalar pelo menos 400 poços que já foram perfurados.

Fonte: Site Tribuna do Norte.

ESPAÇO PUBLICITÁRIO:


Comentários

  1. A problemática da água mobilizou a população do município de Currais Novos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
ESTAMPARIA 2F ARTIGOS PERSONALIZADOS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE