POPULAÇÃO CONSERTA CARROS DA PM.


Em uma das entradas do 1º Batalhão de Polícia Militar  (1º BPM) das Rocas, a cena de algumas viaturas paradas encostadas com pneus furados recepciona o visitante. De acordo com um dos policiais que não quis se identificar, quando o veículo é locado pelo Estado, ele rapidamente é reposto, porém, quando faz parte da frota própria, fica dias aguardando o reparo. Não há números oficiais, mas os depoimentos de policiais mensuram o problema. Assim como acontece na Polícia Civil, viaturas da Polícia Militar deixam de circular por danos mecânicos e demora no conserto. Sem o auxílio governamental, a própria população é quem socorre os policiais.

Na tarde da última sexta-feira, o 1º BPM contava com cinco viaturas disponíveis para fazer o policiamento nos bairros que compõem a área de atuação do Batalhão. “Hoje está bom, já teve dia que a gente teve dois carros para o fazer toda essa área. O ideal seriam cerca de 12 veículos”, confidenciou o soldado que conversou com a reportagem.

Carros e motos da Polícia Militar que foram danificados ficam abandonados por falta de recursos para manutenção.

O batalhão tem um oficial designado para efetuar reparos nas viaturas problemáticas, todavia, este esbarra na falta de equipamento e peças para concluir o trabalho. “Hoje mesmo ele veio aqui, fez um reparo em um carro, e ele está agora na rua. Mas tem situação que não dá para fazer isso. Algumas vezes um comerciante do bairro ajuda fazendo um remendo aqui, outro ali”, completou.

No bairro de Pajuçara, zona Norte de Natal, onde atua o 4º BPM, o borracheiro Francisco das Chagas Pereira, destaca que é comum fazer serviços em viaturas, “geralmente uma ou duas vezes por mês”. Ele diz que, na maioria das vezes, o serviço é feito de graça, com a intenção de que o carro não pare de circular. “Algumas vezes uns pagam, em outras ocasiões, acabo não recebendo. Mas eu faço, porque se não tiver veículo para circular, o maior prejudicado acaba sendo eu mesmo”, revelou.

Distante dali, no bairro Guarapes, na zona Oeste de Natal, ligada ao 9º BPM, a comerciante Maria da Piedade Gomes, 35 anos, possui uma pequena loja vizinha a uma base de apoio da Polícia Militar. Ela revela que são raras as vezes que vê uma viatura passando pelo local com a frequência que a deixaria mais segura. “Eu moro aqui há quatro anos e não vejo policiamento direito. Raramente passa uma viatura”, disse.

Maria Piedade não sabe, mas a viatura que deveria fazer a ronda em seu bairro está parada há quase uma semana, no pátio do batalhão, pois o veículo está sem bateria. De acordo com alguns policiais, quando isso acontece, existem duas saídas: fazer  a ronda a pé ou usar um veículo de outra base. Nenhum das opções foi escolhida naquele dia.

Ainda na última sexta-feira, três veículos estavam parados no pátio do 9º BPM. Dois deles estavam inoperantes a menos de uma semana e os problemas que os tiraram das ruas foi pneu furando e a falta de bateria. Existia ainda um terceiro veículo. “Esse aqui está a mais de ano parado. Nem sei quall é o problema”, declarou outro PM.

De acordo com o comandante da PM, coronel Francisco Araújo, a corporação conta hoje com uma frota de 1.300 veículos para atender todo o Estado. São carros e motocicletas utilizadas em todos os batalhões. A maioria dos veículos pertence à corporação. Veículos locados somam hoje 220 carros. Outros 430 são da própria PM e, os mais antigos, são do ano 2009. Coronel Araújo reconhece que há problemas quando algum veículo fica parado. “Se o carro é locado, a empresa tem 48 horas para repor a viatura. No caso de carros próprios, existe a dificuldade de adquirir material de reposição”, disse.

O comandante afirmou ainda que parte do problema será resolvido em breve. Nos próximos 45 dias, a PM receberá 150 veículos novos. Os carros são do modelo Duster, da empresa Renault, vencedora de um pregão eletrônico realizado pelo Governo do Estado. Os veículos se enquadram na categoria SUV (em inglês, Sport Utility Vehicle, que significa veículo utilitário esportivo) e darão mais agilidade ao comando. “Os veículos servirão, inicialmente, para escolta e batedor durante a Copa. Depois, serão usados em qualquer operação”, pontuou. 

Polícia Civil tem dificuldades na manutenção

A inoperância de viaturas no RN  não é exclusividade da Polícia Militar. A Polícia Civil também sofre com o mesmo problema. Atualmente, dos 242 carros próprios que compõem a frota da Civil, 70 estão parados nas oficinas. A maior parte - 60 veículos - está subutilizada pela falta de pneus. Além do básico, faltam também peças como baterias, para-brisas e cabeçotes, e algumas apresentam problemas mecânicos, como na direção hidráulica. A Delegacia Geral da Polícia Civil (Degepol) reconhece um débito de R$ 70 mil à única fornecedora de peças da instituição, localizada na Ribeira.

Enquanto isso, há municípios que sequer contam com viaturas, como é o caso de Baraúnas. O único carro disponível para a comarca quebrou e repousa no pátio da oficina da PC. Delegacias regionais, como a de Mossoró, também sofrem com o problema: das 33 viaturas da regional, sete estão paradas por falta de peças. Algumas das delegacias que estão desfalcadas são a Delegacia de Homicídios (Dehom), DP’s da Grande Natal e delegacias do setor de inteligência da Polícia Civil.

Uma fonte ligada à oficina da Polícia Civil, que preferiu não se identificar, informou à TRIBUNA DO NORTE que a instituição também conta com uma dívida de R$ 500 mil com o consórcio de locação, formado por nove locadoras. Além disso, ela aponta um débito total de R$ 170 mil com a fornecedora de peças, também referente ao ano passado. A Oficina da Polícia Civil, que conta com 11 funcionários, recebe viaturas de todo o Estado. “O problema é que não há uma manutenção periódica dos carros. Eles só chegam aqui quando já estão quebrados. Hoje, a vida útil de um carro não passa de dois anos”, analisa.

Segundo a Degepol, o mesmo pregão que destinou 150 viaturas para a PM, vai beneficiar a Civil. Serão 50 viaturas da marca Renault  para a polícia investigativa. No entanto, a compra não conseguirá suprir sequer as viaturas que foram mandadas para a sucata. A última compra de viaturas foi em 2012, na qual foram adquiridos 60 Ford Fiestas.


Fonte: Site Tribuna do Norte.

Comentários

  1. Em uma das entradas do 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM) das Rocas, a cena de algumas viaturas paradas encostadas com pneus furados recepciona o visitante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
ESTAMPARIA 2F ARTIGOS PERSONALIZADOS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE